Mangás de Tezuka: Do infanto ao juvenil

1214696960087_bigPhoto_0

Ribon no Kishi

Poucos mangakas foram tão completos a ponto de trabalhar com obras infanto juvenis e obras para um público mais adulto. Um mangaka que é capaz de criar shounens, shoujos e biografias, sempre mantendo seu estilo, e conseguindo obter grande sucesso em todos estes estilos concerteza é um Gênio. Tezuka foi um autor que criou  grandes obras comos mais diversos temas e para homens, mulheres, crianças e adultos, ou seja, para todos ambos os sexos e todas as faixas etárias. Ele criou muitos dos elementos presentes nos mangás modernos e com isso foi um dos que tornou úncio o estilo dos quadrinhos Japoneses.

Os textos “Mangás de Tezuka” serão publicados em duas partes (uma hoje e outra quinta-feira dia 12 de novembro)  apresentam um pouco da história dos mangás do Mestre Osamu Tezuka, que até hoje é considerado Deus dos mangás. Começo  falando  das inspirações e dos mangás infantis e juvenis que tornaram Tezuka o mangaka mais famoso do Japão e do mundo.

Mangás de Tezuka: Do Infanto ao Juvenil

Tezuka desde criança teve uma grande imaginação e uma grande criatividade, sempre adorou ler e criar mangás. Inspirado nas histórias contadas por sua mãe, pelos mangás que adiquiriu com o pai,  pelas animações americanas e pelas situações do seu dia-a-dia, criou diversos mangás durante sua infância.

Na 3ª série criou uma tirinha que fez bastante sucesso em suas escola cujo cuadjuvante era um garoto travesso chamado Sei-chan ( Pin Pin Sei-chan resurgiu na Kodansha em 1958). Tezuka era um curioso convicto, ele adorava insetos, o que lhe rendeu o pseudônimo de OsaMushi, além disso, era uma fá do famoso teatro de Takarazuka (essa influência é bem aparente em seu famoso shoujo Ribon no Kishi, A Princessa e o Cavaleiro), mas talvez a maior das inspirações de sua época de infância, ele conseguiu na vivência da época da segunda guerra mundial.

Ele como muitas outras crianças japonesas teve que estudar em escolas militares e presenciar os grandes desastres da guerra. Sua felicidade com o fim da guerra e as dificuldades desse período foram posteriormente parodiadas no mangá Kami no toride ( A  fortaleza de papel).

Quando adolescente Tezuka criou sua primeira tirinha infantil para jornal, O diário de Ma-chan publicado no Mainichi Shinbun. Outras de suas tirinhas infantis também foram lançadas nesta época, dentre elas, Chinen no kyou chan e  A-chan, B-kochan taken ki (As aventuras do garoto A e da garota B).

Ainda na adolescencia Tezuka entrou para  a associação Kansai Manga-Man Club que era aconselhada pelo veterano Shitima Sakai, e possuia diversos outros autores de mangás, que fizeram sucesso posteriormente, como membros. Foi durante este período, aconselhado por Takai, que  Tezuka criou  um dos seus primeiros grandes successos, sua primeira obra narrativa em mangá, Shin Takarajima (A nova ilha do tesouro) que já mostrava diferenças marcantes dos mangás da época. Tezuka utilizava os Closes e traços de movimentação que davam um efeito cinematográfico ao mangá (um dos elementos bases dos mangás modernos).  Ainda novo, Tezuka foi para Tokyo tentar vender algumas de suas obras para grandes editoras, foi nessa época que Tezuka se mostrou um verdadeiro mangaka infanto juvenil, quando foi contra a nova onda de mangás para adultos e manteve suas convicções de que devia lançar mangá para crianças e jovens.  Apesar de sua viajem a Tokyo não ter rendido muito, ele foi mais longe a Ueno e Ikebukuru onde conheceu os mangakas Kennosuke Niizeki e Keizo Shimada, conhecidos mangakas da época.  Tezuka ainda em sua adolescência tentou trabalhar com filmes de animação e partcipou do grupo teatral Gakuyuza. As animações e o teatro sempre foram duas paixões de Tezuka e influenciaram toda sua carreira como mangaka.

Tezuka começou a lançar tiras para adultos em jornais, mas suas maiores obras na época eram voltadas ao público infanto juvenil. Seu gosto por ficção científica, história, música e por outras artes também influenciaram suas produções a partir desta época de sua vida (Astro Boy e Hi no Tori são grandes provas disso).

Após o sucesso de Shin Takarajima e impulsionado pelo “Boom” dos mangás da época, continou firme em suas criações narrativas e aumentou a utilização de efeitos cinematográficos em sua obra, como pode ser percebido em Chiteikoku no Kaijin (O monstro do mundo subterrâneo).

Na primeira metade dos anos 50 ele criou um dos primeiros personagens infantis de sucesso de sua carreira, o coelho Mimio (Mi-chan), personagem pelo qual demonstrava bastante carinho. Neste período Tezuka começara de vez sua carreira como mangaka e, paralelo a isso, começou a frequentar a faculdade de Medicina (Tezuka chegou a ser Doutor em medicina).  Seguindo os conselhos de sua mãe, ele seguiu o caminho que mais lhe agradava e se tornou mangaka e não médico (Os fãs de mangá devem muito a mãe de Tezuka =D).

O sucesso de Tezuka rendeu lugar nas páginas da Shounen Magazine, e sua fama começou a correr pelo Japão. E foi durante seu anos iniciais na shounen Magazine que Tezuka criou o mangá, O embaixador Atom, onde surgiu o garoto robô, Atom (Astro Boy). O sucesso de Atom foi tanto que mudou a roupagem de O embaixador Atom e com isso gerou um dos mangás infantis de maior sucesso da história, Tetsuwam Atom (Astro Boy).  Com Tetsuwam Atom e com outras publicações infantis de menos sucesso, Tezuka se tornou um dos magaka de mais adorados pelo público infanto juvenil.

Na segunda metade dos anos 50 Tezuka saiu de Osaka e foi morar em Tokyo no edifício Tokiwa-so, edifício que abrigou diversos grandes mangakas. Tezuka já era consderado nesta época um dos mangakas mais bem sucedidos e o mais famoso magaka infantil do Japão. A cada capítulo e a cada obra, Tezuka mostrava mais e mais sua paixão pelos mangás infantis. Nesta época Tezuka só tinha sua fama como mangaka comparada a de Eichii Fukui, o criador do mangá de judô, Igakuri-kun.

Fukui e Tezuka apresentavam estilos diferentes e novos de mangá, por um lado Fukui era adorado entre os adolescentes devido aos seus mangás de sangue quente, por outro, Tezuka era amado pelas crianças devido suas narrativas divertidas, intrigantes e cheias de movimentação.

Mas Fukui morreu nesta época,  e apesar de  alguns dizerem que o caminho estava livre para Tezuka, este se mostrou complascente com a morte do amigo e rival. Eichii desenvolveu técnicas que são usadas até hoje em diversos mangás, ele é considerado um dos pais dos mangás de esporte.

Tezuka fez questão de homenagear o amigo em alguns de seus mangás, inclusive em seu  primeiro quadrinho sobre produção de mangás. A utilização de sombras e os efeitos de zoom que Eichii aplicava foram alguns dos grandes legados que este grande mangaka deixou. Ele foi uma das grandes percas do mundo dos mangas e principalmente das publicações para jovens.

Tezuka não era apenas o mangaka de mais sucesso, mas também o de mais trabalho e como mais editores em seu pé. Nesta época começou a trabalhar junto de assistentes, e garantiu que assistiria cerca de 365 filmes por ano. Suas fugas lendárias de seus editores geraram divertidas histórias (pena que que ele não contou isso em mum mangá). Ainda nos anos 50 Tezuka mostrou também que não desenhava apenas mangás para meninos e começou a lançar shoujo mangás (mangás para jovens moças). Seu shoujo mangá de maior sucesso foi Ribon no kishi (a Princesa e o Cavaleiro).

Tezuka publicou uma gama muito grande mangás infanto juvenis para garotos e garotas. Com o passar dos anos ele tentava sempre adaptar seus mangás a realidade das novas épocas, dizia que seu público mudava de gosto a cada 4 anos em média. Suas publicações infantis foram seu foco principal até o começo dos anos 60, quando começou a trabalhar com animações e com mais publicações para adultos. Apesar disso Tezuka continuou até seus últimos anos como um mangaka infantil e foi um dos autores de mangá e quadrinhos infantil em geral,  que mais publicou obras voltadas a este gênero. Seus mangás mais conhecidos até hoje ainda vem de suas publicações infantis. Suas obras inspiraram e fizeram a alegria de crianças durante mais de 4 décadas, ou melhor, elas ainda inspiram e trazem alegria até hoje.

Através deste texto falei um pouco das inpirações, da história e da vida como mangaka infanto juvenil do mestre Oasmu Tezuka. Quinta feira farei um texto focando os mangás para adultos e as biografias em mangá publicadas por Tezuka. Ambos os textos tem como fonte pricipal a biografia em mangá de Tezuka que foi publicada no Brasil pela editora Conrad e é uma literatura indicada a todos. O texto é divertido e conta sobre história e sobre diversas curiosidades da vida de Tezuka além de ter uma lista de obras do autor.