Os três – Take 1: Identidades secretas

Dessa vez vou tentar algo focado nos diálogos, afinal é a melhor parte da maioria das histórias, ao menos em minha opinião, vejamos o que vai sair.Ah! Esse conto vai virar uma série!

…ninguém imagina como eu ri da cara que o Akira fez quando eu escolhi me chamar Bay. Se me lembro bem, foi assim que escolhemos nossos apelidos (Para identificar quem é quem no diálogo, vou colocar a fala do Akira de verde, a minha de vermelho e a Sofia de rosa):

– Temos de escolher apelidos! 
– Por quê?
– Porque se alguém souber nossas verdadeiras identidades, podem ir atrás dos nossos familiares e amigos.
– Então também precisaremos de máscaras e uniformes?
– Não! A aparência que temos ao lutar já é diferente o bastante da nossa verdadeira aparência.
– Se vocês acham que eu vou sair por aí brincando de super-herói com vocês, estão muito enganados.
– Mais e se o mundo precisar de nossa ajuda novamente?
– Ele terá que se virar sem nossa ajuda! Talvez o exército consiga resolver o problema.
– Que tal… O silenciador?
– Como é?
– Pois eu desmaio os inimigos.
– Você não controlava a mente deles?
– Sim, mas como eu só posso controlar um por vez, acho mais fácil desmaiá-los, em vez de ficar usando uns contra os outros, assim, eu posso atingir mais gente em menos tempo.
– Ei! Eu já disse que não vou ser uma heroína e até onde eu me lembro só podemos usar os poderes se estivermos todos os três próximos.
– Não é como se tivéssemos escolha, já é a terceira vez que lutamos em menos de uma semana.
– Sempre que aparece algum desses inimigos alienígenas ou sei lá o quê, nós somos teletransportados para defender algum país humano. Pelo menos se eles não souberem quem somos, não irão inventar de aparecer onde moramos.
– Mas..
<1 minuto depois>
– Nossos poderes não provêm de divindades protetoras antigas, não devíamos usar o nome delas?
– Acho que não tem problema usar outro nome, até porque parece que estas tais divindades só eram assim tratadas pelos antigos por terem esses poderes e não por serem deuses de verdade.
– Até aceito essa de heroína, porque não tenho escolha, mas nem pensar que vou usar um nome de herói como nas historias em quadrinhos. Eles são ridículos.
– O que sugere então?
– Que tal nome de personagens que gostamos?
– Então eu seria Hasel, como a protagonista de A Culpa é das Estrelas.
– Você prefere ser lembrada pelo nome de uma personagem que tem câncer? 
– Você viu o filme né? E chorou que nem um ninja silencioso pelo que me lembro! Senhor intelectual sem namorada!
– Se me lembro bem, você tem memórias bem constrangedoras também! Senhora Rainha da FriendZone!
– Já que todos nós compartilhamos nossas memórias e sabemos que somos bem diferentes, podemos ao menos aproveitar algo em comum para escolher nossos apelidos.
–  Até onde sei, todos nós gostarmos de cinema.
– Eu tinha escolhido uma personagem de filme, mas já perdi a vontade de usar esse apelido.
– Nessa forma você me lembra a Sofia Coppola, só que mais jovem.
– Sofia é um nome legal e eu gosto daquele filme que ela dirigiu com o cara do Caça Fantasmas.
– Eu também gosto  muito desse filme, é o Encontros e Desencontros que também tem a Scarlett.
– Então se é pra ser nome de diretor acho que vou escolher Bay!
– Por quê?
– Por causa do Michael Bay.
– Eu entendi a referência, e repito: Por quê?
– Eu gosto dele!
– Não gosta não!
– Eu não gosto do diretor, mas gosto do apelido, porque é bem explosivo!
(Imaginem agora as caras de “What?” que os dois fizeram e minha cara de “Huehue”)
<5 minutos depois>
– Muito bem! Vou te chamar de Bay e você vai ter de lembar para sempre que seu nome de herói foi ridiculamente escolhido, só pra você fazer uma piada ruim. Se sente satisfeito?
– Muito (“Huehue”)!
– E você @@@@@, já pensou em um apelido?
– Já que não pode ser “O silenciador”, vou ficar com Akira, em homenagem ao Akira Kurosawa!
– Ok! Então… Agora somos A Sofia, o Akira e o Bay!
– Peraí! eu tava brincando quanto ao meu apelido.
– Problema seu!
– No Pain!
– No Gain!

E desse modo nós viramos três heróis com nomes bem estranhos. E não esqueça que você virou o herói mais zoado da história também!