AniManga Mania 6

Olá a todos! Aqui é o Kyon e esta é mais uma edição do AniManga Mania. Hoje teremos o terceiro dos quatro textos sobre antologias de mangá, onde falarei sobre as antologias nos anos 90 e no século 21 no Japão. E apresentarei o anime Romeo x Juliet do estúdio Gonzo e sobre o mangá MPD PSYCHO.

Antologias de Mangá: Os anos 90 e o início do século 21 no Japão.

No fim dos anos 80 e início do anos 90 os mangás ganhavam cada vez mais força fora do Japão e as primeiras antologias começavam a ser publicadas no ocidente (tratarei mai disso no último texto sobre antologias de mangá). Em contrapartida havia um certo declínio nas publicações Japonesas, em parte devido aos movimentos anti-mangás que surgiram, em parte devido a crise criativa que muitos autores enfrentavam e em parte devido a internet e os video games que acabavam ocupando um bom tempo de uma grande parte do público adolescente que liam de mangás. Além disso, o mercado de novels começava a crescer e comer mais uma fatia do público das antologias de mangás, embora em menor escala. Focarei aqui a discutir um pouco sobre a crise criativa e deixarei os movimentos anti-mangás para uma postagem futura.

A expansão do mangá e a criação de inúmeros gêneros nos anos 70 e 80 culminaram em um grande e variado número de publicações, mas por outo lado era evidente o sucesso de certas antologias voltadas a um público específico. As antologias de mangás shounen eram evidentemente a mais famosas e com isso um grade maioria dos novos autores e autoras tentavam publicar nestas revistas apesar de que ainda havia uma boa demanda de autores e autoras nas revistas dos outros gêneros. No fim dos anos 80 e início dos anos 90 se via publicações dos mais diversos tipos nas grandes antologias o que culminou em uma crise criativa quando chegavam ao fim os grandes títulos destas e que iria ser evidente em meados dos anos 90 com o fim da era de ouro da Shounen Jump causada pelo término de Dragon Ball e Slam Dunk que eram as principais obras da revista.

Para se ter uma idéia, a vendagem semanal da Jump antes do fim de Dragon Ball era entre 6 a 7 milhões, depois do fim de Dragon Ball ela caiu para uma média de 4 a 5 milhões, ou seja, em poucas semanas a Jump perdeu de 2 a 3 milhões de leitores. As tiragens de outras revistas tanto shounens quanto de outros gêneros começaram a perder fôlego e a solução encontrada pela Shueisha (Editora da Shounen Jump) e por várias outras editoras foi a criação e proliferação do famoso sistema de questionários que por um lado acabou acarretando em uma espécie de barreira criativa para os mangakas, pois cada vez era mais evidente o que interessava a grande massa dos leitores das antologias e com isso a necessidade de muitos mangakas terem de se adequar a estes interesses em vez de produzir obras totalmente originais. Com isso ocorre o surgimento dos famosos clichês de muitos estilos de mangá.

Para o shoujo mangá e seus derivados, como jousei e bl (boys love) os anos 90 foram marcados por uma diminuição de números de autores e autoras destes gêneros, mas com o problema enfrentado pelo os shounen mangá houve um pequeno crescimento do número de leitores no fim da década principalmente com relação as publicações um pouco mais maduras, no entanto este aumento foi melhor percebido na vendagem de encadernados do que de antologias. Já os seinen, o gekigá, o ero-mangá e as obras mais undergrounds desde o fim dos anos 80 enfrentavam uma forte alteração de estética do mercado. O ero-mangá, principalmente por causa dos movimentos anti-mangá e ao quase fim dos mangás undergrounds, foram delimitados a um público muito restrito. O mangá undergound, antes cultuado em revistas como COM e Garo, tiveram um grande declínio, parte do seu material virou seinen e parte foi extinto junto ao fim da Garo em 2002. O seinen ganhava força com o aumento da variedade de histórias advindas parte dos mangás undergrounds e parte dos gekigás que quase que se limitaram a mangás sobre salary man (Trabalhadores), no entanto isto não foi refletido nas vendagens de revistas deste estilo que não tiveram uma grande alteração.

O fim dos anos 90 e início do século 21 nos apresenta um panorama de mangás diversificado, mas muito voltado para publicidade de certos produtos, apesar de em geral haver o crescimento da valorização de estilos como jousei (em parte devido as adaptações em live action) e dos mangás 4-koma que começaram a ganhar força neste início de século e com a crescente idéia do dito “anime publicitário” que muitas vezes é utilizado para elevar a vendagem do mangá, é evidente também que surgem cada vez mais mangás de histórias adaptadas de livros e jogos e antologias especializadas neste tipo de mídia.

Hoje o Japão ainda possui uma grande variedade de antologias de mangás dos mais diversos estilos e para os mais diversos públicos, mas para manter o mercado houveram muitos sacrifícios por parte de Editoras. O mercado se tornou cada vez mais difícil para autores com idéias inovadoras, porém quando um autor destes consegue vencer as barreiras e fazer sucesso vemos um culto e um cuidado cada vez maior para com estas obras e a criação de um grande número de produtos referentes a elas, o que é bastante positivo para os fãs. Uma estabilidade maior vem sendo vista nas antologias e acredito eu que em geral isto é algo que vem se mostrando bom para nós leitores de mangá.

No último texto falarei sobre as antologias de mangá fora do Japão e um pouco sobre o projeto nacional, Ação Magazine.

Indicação de anime

Romeo x Juliet

Em um castelo em chamas, uma pequena princessa e sua acompanhante correm do perigo. Apesar da princessa não querer deixar seus pais a acompanhante e um cavaleiro a levam embora do castelo, enquanto que o rei e a rainha são assasinados e o trono de Neo Verona é tomado pelo Lorde Leontes Montéquio. Anos depois vê-se um jovem, chamado Odin, vestido completamente de vermelho e que luta contra os absurdos do governo de Lorde Montéquio. Um guerreiro sozinho, mas que conta secretamente com o apoio de grande parte das classes mais pobres de Neo Verona. Seu nome ficará para sempre marcado na história como Akai Kaze, o Tufão vermelho, um tufão que varrerá as atrocidades do reinado dos Montéquio para fora de Neo Verona no futuro, mas que no momento está sendo perseguido pelos guardas do reino. Odin é na verdade Juliet, uma linda garota que não entende ao certo porque deve se vestir de garoto, mas que segue as recomendações de Conrad, seu protetor.
Em certas ocasiões Odin costuma sair como Juliet, e em uma destas saídas acaba por conhecer Romeo, um jovem nobre pelo qual Juliet se apaixona e vice-versa, mas um terrível segredo irá separar os dois, e pode ser que o sonho dos dois viverem juntos nunca possa vir a ser concretizado, pois no aniversário de 16 anos de Juliet um segredo é revelado.
A série animada Romeo x Juliet foi produzida pelo estúdio Gonzo e foi ao ar de abril a setembro de 2007. Inspirado na famosa obra de William Shakespeare, o anime se passa em um continente fictício chamado Neo Verona e foca no romance entre Romeo e Juliet e nas dificuldades que vivenciam por serem de famílias rivais. Além disso, temos como pano de fundo uma história heróica focada na tentativa de retirar do poder o odioso Lorde Montéquio. Um anime divertido, dramático, empolgante e muito inteligente. Considero a última grande obra do estúdio Gonzo e recomendo a todos. Fiz uma análise mais detalhada da série no blog Anime Portfolio e o texto pode ser acessado clicando aqui.

Indicação de Mangá

MPD PSYCHO

Conheci este mangá ao acaso em um evento, achei curiosa a capa e já havia ouvido falar do mesmo e tive a oportunidade de tê-lo através de scanlators, mas apenas comecei a ler ao comprar a edição brasileira publicada pela Panini.
Em MPD PSYCHO temos um herói, um anti-herói e um vilão todos em um mesmo corpo, uma história que utiliza ciência, psicologia, política e assassinatos para lhe deixar cada vez mais interessado em descobrir os mistérios. A história começa quando o detetive Yousuke Kobayashi recebe um estranho pacote que parece está relacionado ao caso de um esquartejador que está investigando e a pista o leva a sua namorada que teve seus membros decepados, neste momento ele muda de personalidade e se transforma no psicopata Shinji Nishizomo que corre atrás do entregador do pacote e o mata. Após isso ele passa a assumir a personalidade de Amamiya Kazuhiko, um frio detetive que não se importo com o que ocorreu contanto que descubra os mistérios em que estão envoltas as estranhas investigações que faz. No entanto Amamiya Kazuhiko, Shinji Nishizomo e Yousuke Kobayashi se tornarão o foco principal de um mistério que envolve o futuro de toda nação japonesa.
Um mangá cheio de imagens chocantes, com uma arte muito bonita e com uma trama envolvente, apesar de complicada. Você se torna o espectador de uma trama que pode mudar o futuro do japão e talvez do mundo, mas isso pode não ser uma coisa muito boa. Recomendo este mangá a todos que gostam de histórias de mistérios e com tramas mais pesadas, obviamente que a censura de 18 anos faz jus ao mangá, mas se você é do tipo que tem estômago forte e quer conhecer um seinen extremamente interessante, MPD PSYCHO é um mangá quase que obrigatório.